quinta-feira, 24 de abril de 2014

Quase Assaltado

Hahahahaha escrevo este post depois de há quase dez minutos quase ter sido assaltado.
Vinha do metro até casa, como faço sempre quase todos os dias, a pé. Não é o sítio mais recomendado para se andar a pé, mas geralmente não se vê ninguém na rua e é na boa.
Já me tinha apercebido a meio do caminho que vinha um homem atrás de mim, mas tudo bem. Tinha saído do metro à uns três minutos, nada de grave, é normal. Eu ando geralmente num ritmo apressado e tinha uma distância significativa, nem tomei o senhor como ameaça. Vinha pelo caminho normalmente a pensar em várias coisas e a ouvir músicas mentalmente e começo a pensar no blog e nas histórias dos meus assaltos que por aqui contei [devo ser bruxo]. Mas ia na minha, feliz e contente. Começo a chegar à primeira rotunda que circundo para chegar a casa e olho para trás, porque sim, faço-o normalmente. E vejo o homem a começar a correr, olho para a frente e penso *Deixa-me lá agarrar a mala. Só pelo sim pelo não. Não é que eu ache que ele me vá assaltar, até porque não tenho nada comigo. E o homem pode estar a correr só porque está atrasado, mas que é estranho é e mais vale prevenir que remediar* E lá agarrei a correia da mala que é à tira colo, quando ele está a chegar ao meu lado estou eu a virar-me para atravessar a passadeira e fiz isto mais encostado ao corrimão que existe a separar o passeio da estrada para que o senhor tivesse espaço para fazer a curva e passar. Agarra-me pelo braço e ombro e puxa-me, parece que ouvi algo a rasgar [mas acabei de verificar e não tenho nada rasgado]. Por um milésimo de segundo pensei *Estúpido pá, não deve ter medido bem a distância e foi bater contra mim*, mas senti que estava a ser puxado. Eu não ouvi bem o que ele disse porque comecei logo em voz alta: -"Então páh? Larga-me!" Acho que ele começou a pedir, -"Dá-me o dinheiro", e foi repetindo isto, mas ele falava baixo eu não o ouvia e nem quis saber, já estávamos na relva agora. -"Larga-me! Não tenho dinheiro nenhum, sou estudante universitário!" -"Não grites!" -"Larga-me, não tenho dinheiro nenhum, meu!" E agora o facto que eu adoro: enquanto ele me agarrava e puxou até à relva eu agarrei-o pelo colarinho (também para não me desequilibrar e cair), olho para ele, tem uma mascara daquelas tipo médico, verdes a tapar a boca, olho para o lado para a minha mala que me está a cair pelo braço, vejo que ele tem uma coisa prateada na mão *Aquilo é uma faca?*, acho que era uma faca. Volto a olhar para ele, a minha mão no colarinho, aproximo-o e afasto-o levemente. Penso *Uma cabeçada no nariz dele agora era bué fixe, à filme* tiro a mão *Não sou uma pessoa violenta, ele tem uma faca e não vou lutar que isto pode correr mal* -"Não tenho dinheiro, queres ver a minha carteira, car*lho!?" -"Não grites, é preciso estares a gritar?" -"Larga-me car*lho! Tenho para aí dez cêntimos queres ver?" Ele larga-me, fica a olhar para mim.  Eu abro a mala saco do meu porta moedas (que é uma pachacha). Estendo-o para ele, estendo a minha mão e deixo cair dez cêntimos e duas moedas pretas -"Toma, caralho! É isto que tenho! Queres!? Toma! Toma car*lho!" Não faz nada. -"É preciso gritar? Não é preciso estares a gritar". -"Não é preciso estar a gritar!? Tu estás a tentar assaltar-me, meu!" Eu viro as costas e começo a andar novamente, passa um carro, paro por um segundo e volto a andar. Começo a concertar-me, a puxar o casaco e a colocar a mala ao ombro enquanto atravesso a passadeira. Ouço-o a dizer qualquer coisa. Atravesso a passadeira. Ouço-o claramente -"Ei, calma aí. Deixa-me falar contigo."  Viro-me para trás. Já não tem a máscara posta, acho que a tirou quando virei as costas. Eu, novamente, num tom elevado -"Estás a gozar comigo? Tu acabaste de me tentar assaltar... Vai pó car*lho!" E levanto a mão, volto a virar-me e a seguir o meu caminho. Acho que me perguntou onde é que eu morava, ou perguntou-me se eu não era "bueda" novo, mas não percebi. Ouço claramente -"Calma. Não era preciso estares a gritar. Deixa-me só falar contigo. Só quero falar contigo." [foi algo deste género]. Viro-me para ele novamente -"Estás a gozar comigo? Tu tentas-te assaltar-me com uma faca ou que m*rda é isso e agora queres falar comigo? Baza! Vai pó car*lho meu! Baza!" Levanto a mão e faço um gesto de "vai-te embora" enquanto me viro e continuo a andar. Mais à frente olho para trás, vejo-o a virar-se e a ir-se embora.

Passado um bocado começo a rir-me ao imaginar a minha figura e a não acreditar que agarrei mesmo o gajo pelo colarinho... Hahahahaha e pronto, eu tinha mesmo de partilhar isto.

30 comentários:

  1. Levantavas os dois dedos em V, podia ser que ele desse para os dois lados :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahaha estiveste tão bem com este comentário xD

      Eliminar
  2. Ahahahah adorei!! Eu acho que se algum dia for assaltada fico tao assustada que fico em estado de choque...nem do sitio me mexo! És de que zona do pais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Nunca se sabe como vamos reagir.
      Isto aconteceu em Lisboa. Se me fazes essa pergunta pelas asneiras todas que disse, não, não sou do norte. Sou do centro do País :)

      Eliminar
  3. LOL (desculpa rir... mas o teu relato tem piada)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não peças desculpa, é mesmo essa a ideia :)

      Eliminar
  4. nunca fui assaltada (bater na madeira - tirando os impostos :D), mas se o fosse, seria mais ou menos desta maneira que actuaria. ficaria furiosa. nunca ando com muito dinheiro (essa do porta-moedas pachacha tens que pôr foto :D)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D ~eu não sei se fiquei furioso... É um porta moedas normalíssimo, mas costumam chamar-lhe pachacha. São umas coisinhas de borracha, com uma abertura no meio xD

      Eliminar
    2. LOL só me ocorre a imagem de uma boneca insuflável (só conheço essas coisas das despedidas de solteiro de amigos) :p

      Eliminar
    3. Hahahahaha essas têm mais qualquer coisa que uma abertura no meio, não? Têm bracinhos e perninhas xD Mas eu cá só vi na televisão

      Eliminar
  5. aparte a tensão de qualquer assalto, tenho que ser sincero contigo, fartei-me de rir!!!!

    ResponderEliminar
  6. Uuuuh todo manly a atacar o assaltante :P
    Por acaso nunca me aconteceu, eu quando vejo pessoas suspeitas começo a panicar e vou pro meio da primeira multidão que me aparecer, provavelmente se me acontecesse também não ia ter grande coisa pra roubar e eu ia começar aos gritos qual vitima de violação : http://media.tumblr.com/tumblr_mbmxoxC8Oe1r5jg4v.gif
    Se calhar agora é uma nova forma de engate, assaltar e depois engatar xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahaha não o ataquei. E ainda bem que correu tudo bem :)
      Pois, mas ali não havia multidão alguma. Acho que fazer um escândalo é uma boa solução, mas depende, com um drogado em ressaca à procura de uma dose não me parece a melhor maneira porque levar uma sova não me parece bem. Mas temos de saber ler as situações.
      Havia de ser lindo. No outro dia vi uma noticia, um casal de namorados gay juntou-se depois de um ter tentado assaltar o outro... Já o estou a ver, a pedir-me o número e a perguntar-me (perguntaram-me sempre até agora quando me tentaram engatar em sítios gay) "és gay? Dás-me o teu número? Adorei a maneira como me mandaste para o car*lho... Btw, também és um screamer na cama?" :P

      Eliminar
    2. e tu respondias "depende de onde me deres navalhadas" e casavam-se ali ahahaha

      Eliminar
    3. "Mãe, Pai, este é o meu namorado. Conhece-mo-nos quando ele me tentou assaltar... Pelo menos não foi pelo Grindr..." E eu nunca tive grindr, nem estou a dizer que é algo de mau.

      Eliminar
  7. estou orgulhoso de ti! foi para isto que te eduquei! ahah
    boa pah! :D
    tantos caralhos a sair da tua boca num curto espaço de tempo ahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha andas a pensar muito em educação agora ou é só impressão minha?
      Pois foi, às vezes temos que dizer umas asneiradas xD

      Eliminar
  8. Bem, nunca fui assaltado. Mas se algum dia for, gostaria de ter o teu sangue-frio... LOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D Acho que nunca sabemos como vamos reagir e certamente não reagimos da mesma maneira em todas as situações... E não sei se tive assim tanto sangue frio na altura...

      Eliminar
  9. PARABÉNS PELA ATITUDE... Correu bem, felizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, sim felizmente correu bem. Estas coisas podem sempre correr mal. Tenho muita sorte, no meio do azar.

      Eliminar
  10. oh podias ter falado com ele (mania de eu ver sempre o lado bom das pessoas)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro Kyle, ia falar com ele e supondo que o que ele queria era pedir-me desculpa. E eu dizia, "Não faz mal, meu. Não foi nada, é na boa!". :D

      Eliminar
  11. Também já me tentaram assaltar, mas de ambas as vezes não deu em nada, felizmente.
    O importante é que estas bem e não saíste magoado da história! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, isso é o que importa. :) Tive sorte
      E ainda bem que também nunca deu em nada contigo.

      Eliminar
  12. um assalto deveras estranho! não me parecia que ele queria somente seu dinheiro, provavelmente ele queria te convencer a leva-lo a sua casa, muito estranho, mas ainda bem que não te aconteceu nada! mas se cuida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece que ele quisesse convencer-me a levá-lo a casa, não é a melhor maneira de abordar uma pessoa... Enfim, já passou e não aconteceu nada de mal :)

      Eliminar
  13. De facto foi muito estranho. Deve ter sido o primeiro assalto do rapaz. Parece-me amador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, isso ou simplesmente não estava à espera de ser "confrontado" e não tinha mesmo nada para assaltar. O que é que ele poderia fazer mais?

      Eliminar