sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Coisas que ele me diz


Se há coisa que todo o gay, que é gay a sério, tem é as suas pequenas mariquices. Eu tenho varias e uma delas é a roupa. Gosto de lavar com "Skip" e "Quanto" e de estender a roupa de maneira X.
Ele, como não é gay a sério, é daqueles que gosta é de cu, não faz as coisas como eu. Ele, porque na verdade é uma grande maricona, gosta de ser fofinho e de me ajudar (isso e porque me quer levar para a cama).
Eu, como tenho as minhas mariquices, digo que não quero ajuda.
Agora que vos dei o contexto:
Enquanto estendia a roupa e ele me tentava ajudar, devo ter-lhe dito algo que já não me lembro num qualquer tom, diz-me:
- " Aí! Tu tens uma mulher negra dentro de ti, não tens!?"
- "Tenho..."

E tenho de a deixar sair mais vezes.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Ele tenta

Para o contexto é necessário informar-vos que há algumas semanas comprei uma orquídea para esta casa, que bem estava a precisar de um miminho. Posso também dizer-vos que já tinha comentado que as plantas são mais sensíveis que um rabo virgem e que não gostam de muita água nem de luz directa.

No outro dia, antes de irmos de fim de semana para o casamento, no carro: 
Ele, meio sorriso pimpão - "Hoje fiz uma coisa fofinha por ti..."
Eu, meio desconfiado - "O que é que fizeste?" 
Ele - "Reguei a planta, que estava a morrer de sede..." 
Eu - "Não, não estava! Elas não gostam de muita água e eu já lhe tinha dado..."
(...)

Escusado será dizer que não regou, inundou a dita e que esta começou logo a ficar amarela. 

Gente, aprendam comigo esta lição, que também lhe transmiti: Quando for assim, não façam nada. Se a planta morrer eu fico triste porque não tratei bem dela. Agora, se a planta morrer fico "chateado" e com ele. Por mais que reconheça que a intenção tenha sido boa.