domingo, 14 de dezembro de 2014

Sugestão Cultural

Porque de vez em quando gosto de dar uma.
Considerado pelo Ípsilon como o melhor espectáculo de 2014 "As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino" vive uma adaptação e encenação fantástica de um texto de Breytenbach - um escritor e pintor que lutou contra o regime do Apartheid e que acabou por ser preso. Vive, também, de um grupo de actores que se transformam num único e excelente corpo de representação, com puros momentos de brilhante interpretação individual (tão, tão bons que temos pena que não seja este o nível de suprema excelência desde o início). 
Costumamos associar a experiência estética ao prazer, mas aquilo que nos inquieta, que nos perturba, que nos coloca face ao desamparo, à morte, ao desespero, também faz parte desta experiência. Tendemos a conhecer a luta contra o regime do Apartheid graças à história e luta de Nelson Mandela, mas existem também outras vozes, outras mentes, outras memórias. Aquilo que nos é apresentado em palco é um mergulhar nestes momentos - nas memórias, na própria psique, na vivência sufocante de Breyten Breytenbach. 
Vão ficar inquietos.
No Teatro do Bairro, de 10 a 21 de Dezembro (de Quarta a Domingo) às 21h30.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Já nasceu

Sim, ainda falta um bocado para o nascimento do Outro. Mas por aqui nasceu o Twitter do blog. Eu explico: eu sei que estou ausente, mas não é por não gostar de vocês (que eu até vos venho ler), mas estou a estagiar, e porque quero fazer as coisas super bem feitas e acabar com um 20, não tenho tempo para postar. Ou, quando tenho, não tenho muito a dizer levando isto à minha prolongada ausência. Assim, aproveitando que actualizei isto para o perfil do Google+ e alterei o design aqui do estaminé, resolvi criar um twiiter para o blog - em que muito provavelmente aquelas frases como a do post anterior vão para lá parar.
Não se preocupem o perfil é público e podem ir lá espreitar quando quiserem sem terem de me seguir, suas mariquitas armariadas. 
Isto tudo porque este blog é especial para mim, como já disse, cresci com e graças a ele e custar-me-ia abandoná-lo e a vocês. São medidas para que isto não morra.

P.S. Até comprei um caderninho para apontar as coisas cá para o blog.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Isto de ser gay

É nascer com o carimbo de que vamos gostar do Pretty Woman.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Ainda da mudança de casa

Isto passou-se logo nos primeiros dias em que vim para aqui viver. Não tinha televisão, nem net e a única maneira de me entreter em casa (não contado com os meus pensamentos e livros) era ouvir música.
Estou em casa, rádio ligado (que com as mudanças se estragou e apenas tem um nível de som) e ouço um toc. toc. toc. às 21h30 *Que é isto? É na minha porta?* E bem, lá continuei na minha vidinha que não podia ir abrir a porta... toc. toc. toc. *Mau! Mas isto parece que é mesmo na minha porta! Weird!* toc. toc. toc. *Fine!* E lá vou eu.
Vizinho da frente (que até nem é de se deitar fora) - Olá. Desculpe, é que *espreita para dentro de casa na direção do som* é que aquele quarto (o meu quarto) é paredes meias com o quarto dos meus filhos e eles vão dormir às 21h30. Se pudesse só baixar o som? Só baixar está bom.
Eu - (Enquanto penso *Isto só a mim, claro que eu é que passo a vergonha à frente dos novos vizinhos quando todos ouvimos o rádio) Claro que sim. Não se volta a repetir.
Vizinho - Obrigado, é só mesmo baixar. Desculpe lá.
Eu - Ora essa, percebo perfeitamente.
Vizinho - Obrigado, boa noite.
Eu - Boa noite! E fecho a porta:
image

Agora a coisa mais interessante, a cama que está ali no quarto faz mais barulho que eu sei lá o quê. E uma pessoa não pode dar uma barlaitada à vontade com medo que os piquenos do vizinho da frente ouçam tudo, fiquem traumatizados e vão contar aos papás. Sim, porque eu ouço-os a meio da noite a caírem da cama,  a chorar e a chamar pela mamã. Isso e aos fins de semana por volta das 8h30 a brincar e a gritarem no quarto... Que é normal, eu compreendo.
Só tenho uma questão, como é que as pessoas que têm filhos fazem sexo à vontade?

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Who get's it?

No homo!

Da mudança de casa

E eu que nem gosto delas mais novas que eu, mas anda por aqui um moço vizinho que tem qualquer coisa.
Tirando isso, continua a chover na marquise e a luz a ir a baixo sempre que tento cozinhar mais que uma coisa ao mesmo tempo, ou ligar o aquecedor...

quinta-feira, 6 de novembro de 2014