segunda-feira, 14 de setembro de 2015

First World Gay Problems

Toda a gente conhece aquela mítica cena em que se vê um quarto, já iluminado pela luz límpida e cristalina da manhã, e uma moça,  após uma noite de amor (ao fim do terceiro encontro) com um homem (super jeitoso) que virá a ser o seu "home" (claro), a entrar no quarto trajando nada mais que a, não menos mítica, camisa do dito cujo. 
Claro que a cena nos mostra umas pernas sexy debaixo da camisa dando a entender que a moça, que encontrou o seu home, não usa mais nada por debaixo.
Até poderia não ter existido uma cena anterior. Poderia iniciar-se assim qualquer narrativa e nós saberíamos que tinham feito o amor. E, bolas, como ela é sexy e obviamente que o dito cujo não quer outra mulher, não quer mais nada senão possuí-la e escalabrá-la ou barlaitá-la (como preferirem) ad eternum
Mas e nós!? Gays deste mundo. Que nos adienta vestir a camisa do homem e entrar no quarto já iluminado pela luz límpida e cristalina da manhã? 
O mais provável é o dito cujo, i. e., o tal homem jeitoso que escalabrámos ou deixámos (nos) escalabrar (ou ambos), ao fim do terceiro encontro, e que virá a ser o nosso "home", já nos ter visto de camisa. Se não viu já devia ter visto. Quer dizer, não é o terceiro encontro com alguém e vocês ainda não levaram uma camisa para parecerem todos janotas. Por conseguinte, o impacto já não é tão eficaz. 
De seguida, por muito sexy que sejam as pernas masculinas (e os rabos!), parece que falta sempre ali qualquer coisa na cena, não tem tanto charme, o toque de je ne sais quoi. (No fundo, o facto de aquela peça ser tradicionalmente masculina e existir ali a ideia de transgressão e de que a tipa é uma grande e sexy maluca).
Por fim, de que nos adienta a nós dar a entender que não existe mais nada por debaixo daquela camisa quando, ao usá-la, se percebe perfeitamenrte uma, chamar-lhe-ei para efeitos desta narrativa, "trombinha" a espreitar por debaixo da camisa? Não há o "dar a entender". Está ali. E, convenhamos, não é necessariamente a coisa mais sexy. Especialmente depois de se ter percepcionado a "trombinha" em todo o seu esplendor...

10 comentários:

  1. arranja um namorado 20 centimetros mais alto que tu, assim quando vestires a camisa dele, fica te enorme e não se vê a tromba. tadaaaaaa <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hmmm... Solução inválida. Porque estaria também a tapar imenso das pernas e do rabo e porque parecia que terias uma camisa de noite (ou algo do género) vestido. Imagina lá, um saco de batatas, não fica sexy...

      Eliminar
    2. eu fico sexy até com um saco de lays, sorry #modéstia

      Eliminar
  2. Temos a vantagem, se usarmos os mesmos número de ter guarda roupa duplicado. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora bem, Eolo. Já fiz um post a dizer isso. Vantagens de ser gay :D

      Eliminar
  3. Se calhar eu sou tonto ou mesmo parvo, mas gosto eu de me ver de boxers e T-shirt ou camisa. É que ser ruivo não é algo que todos tenham. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um homem de boxers é sexy de facto. Pois não, não é. E sabe Deus que eu tenho uma qualquer pancada com ruivos. Mas, infelizmente, não passa do mundo das ideias

      Eliminar
    2. Bem, eu já tive um ruivo. E confirmo que os ruivos não são só ruivos na cabeça de cima! xD

      Eliminar
    3. Pancada por ruivos quase todos têm. É por ser único. E ainda por cima eu sou de edição limitada (mas das boas). :P

      Eliminar
  4. Não poderias ser argumentista... colocas logo imensos problemas nas "cenas"!

    ResponderEliminar